quarta-feira, 29 de maio de 2019

Estudo mostra epidemia silenciosa de diabetes no Brasil


Um a cada cinco brasileiros pode ter diabetes sem saber. É o que mostra estudo realizado pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF) e divulgado no final do mês passado. O levantamento constatou a prevalência de 18,4% de pessoas com glicemia elevada sem diagnóstico prévio de diabetes. Mais: entre os avaliados, 22,6% mostraram um risco alto ou muito alto de desenvolver a disfunção nos próximos 10 anos.
O Rastreamento de Casos Suspeitos de Diabetes Mellitus: Novembro Diabetes Azul 2018 – que contou com o apoio da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) – investigou 17.580 pessoas, de todas as regiões do país, entre 14 de novembro e 12 de dezembro do ano passado.
Participaram do estudo cerca de mil farmacêuticos de farmácias (77,84% privadas) localizadas em 345 municípios do país. Na amostra, prevaleceram as mulheres (60%) e aqueles com menos de 45 anos (48%). A maior parcela da população pesquisada possuía 11 anos ou mais de estudo. Apenas 4,6% dos participantes não eram alfabetizados.
O resultado é novidade? Nem tanto. É sabido que o diabetes tipo 2 é um mal silencioso, que quando instalado pode só dar sinais lá na frente, com as complicações já avançadas. Vale ressaltar que o resultado poderia ser ainda mais devastador se a prevalência dos entrevistados fosse de pessoas mais velhas e com menor escolaridade.
O levantamento do Conselho Federal de Farmácia, ao mostrar o risco de desenvolvimento futuro do diabetes na população, também dá pistas do que pode ser observado e corrigido. Os participantes – que além da glicemia capilar mediram circunferência abdominal, peso e altura – foram submetidos ao Finnish Diabetes Risk Score (FINDRISC), instrumento internacional de avaliação de risco de desenvolvimento do diabetes. Os fatores de risco mais presentes foram o sedentarismo (68%), a não ingestão diária de verduras e frutas (43%) e o histórico familiar (37%). Sim, a herança genética pesa, mas não é o fator de risco preponderante.
Segundo o presidente do CFF, Walter da Silva Jorge João, agora a entidade pretende levar os dados aos diferentes gestores de saúde do país, “para que essas informações levantadas se revertam em medidas que possam de fato beneficiar a população”.
O que precisa ser feito? Mais do que tudo, são necessárias políticas públicas para aumentar o rastreamento e diagnóstico do diabetes no país. São necessárias mais campanhas de detecção, mais pedidos de testes de glicemia pelos médicos das UBS e convênios médicos, é preciso lutar para que o teste de glicemia faça parte do protocolo de atendimento para todas as pessoas que procuram serviços de urgência/emergência, seja por qual motivo for.
Ao cidadão, cabe não se esquecer dos exames de rotina e se conscientizar que saúde é prevenção. E você que já tem diabetes também pode ajudar a mudar esse cenário. Observe amigos, colegas, parentes. Aqueles com histórico familiar, que estão acima do peso e principalmente sedentários são sérios candidatos a desenvolver o DM2. Fale sobre a sua condição. Sobre a importância do diagnóstico precoce para evitar complicações. Mostre que o diabetes tipo 2 é mais comum do que se imagina, mas não é um bicho de sete cabeças: pode ser controlado de forma a garantir uma vida saudável.


Nova insulina no mercado. E eu com isso?

Chegou recentemente ao mercado brasileiro a insulina FIASP ( Fast-Acting Insulina Aspart ), do laboratório Novo Nordisk. Trata-se de uma i...