sexta-feira, 19 de outubro de 2018

A outra complicação

O diabetes não controlado pode levar a algumas complicações crônicas classicamente estudadas, caso da retinopatia, nefropatia, neuropatia e doença cardiovascular. Porém, nos últimos tempos mais uma doença derivada da hiperglicemia continuada tem sido objeto de estudo dos especialistas: a sarcopenia.
O nome pomposo (do grego: sarx = carne + penia = diminuição) revela um problema infelizmente não muito raro: a perda progressiva e generalizada de massa, força e função muscular. Mais comum entre idosos (no Brasil, atinge 16% das pessoas com mais de 60 anos), é duas a três vezes mais frequente em indivíduos com diabetes. Com o envelhecimento da população mundial, a prevalência da sarcopenia vem aumentando na mesma proporção – o que não é diferente entre as pessoas com diabetes. 
A sarcopenia é multifatorial. Ocorre pela alteração da síntese de proteína aliada à redução da capacidade neuromuscular e ao aumento dos processos inflamatórios.
O que diabetes tem a ver com isso? A hiperglicemia – especialmente derivada da resistência à insulina, característica do diabetes tipo 2 – eleva o risco de surgimento da sarcopenia, pode acelerar seu desenvolvimento e agravar o problema quando já instalado. Isso porque glicemia alta provoca aumento do catabolismo, que é o processo metabólico de destruição de tecidos. Trata-se de um mecanismo natural do corpo, que atua em equilíbrio com o anabolismo (a construção de tecidos). O problema é quando o catabolismo é mais intenso do que o anabolismo – o que pode ser causado pela hiperglicemia. Vamos entender: quando a glicemia está elevada, significa que a glicose ficou no sangue e não foi para as células gerar energia. Isso inclui as células musculares – as maiores consumidoras de glicose do organismo. Sem energia, as células vão morrendo, levando à degradação das fibras musculares.
Falta de atividade física e alimentação de má qualidade são outros fatores que levam ao surgimento/agravamento da sarcopenia, bem como tabagismo e consumo de bebidas alcoólicas.
A sarcopenia não significa apenas “ser fraco”. Afeta o equilíbrio, a marcha, a capacidade para executar tarefas da vida diária. Ou seja, diminui a qualidade de vida. Além disso, está associada a maior número de hospitalização, mais eventos cardiovasculares e maior mortalidade.
Nem tudo, porém, é notícia ruim. A sarcopenia pode ser evitada. Mais: é reversível. Sim, é possível restaurar a capacidade física funcional, com intervenções combinadas que incluem atividade física, plano alimentar, com eventual suplementação de proteínas/vitaminas.
Por isso o diagnóstico precoce é fundamental, permitindo o tratamento também precoce capaz de evitar a deterioração da qualidade de vida. No diabetes, a sarcopenia pode aparecer na meia idade, antes da velhice, e por isso precisa ser rastreada, investigada, para que possa ser revertida e/ou controlada. Converse com seu médico!
E o que você pode fazer para prevenir a sarcopenia? Manter a glicemia sob controle, claro, evita a aceleração do catabolismo. Mas o melhor remédio e prevenção para a sarcopenia, para quem tem ou não diabetes, é a atividade física, especialmente os chamados exercícios resistidos, para fortalecimento muscular. Ou seja: você pratica exercícios de fortalecimento para não perder força muscular. Simples assim.
Não por acaso a ADA (American Diabetes Association) e a SBD (Sociedade Brasileira de Diabetes) colocam nas suas recomendações de atividade física para quem tem diabetes tipo 2 a prática de exercícios de força, 2 a 3 vezes por semana. Além de promover fortalecimento e ganho de capacidade funcional, os exercícios resistidos melhoram a sensibilidade à insulina e o controle da glicemia (lembra que os músculos são os maiores consumidores de glicose do organismo?). Mais: aumento da densidade óssea e mais saúde cardiovascular.
Melhor ainda se os exercícios resistidos forem combinados ao treinamento aeróbio, de 30 a 60 minutos por dia, preferencialmente todos os dias.
Você ainda tem dúvida de que exercício é remédio?


Fontes:
Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD): www.diabetes.org.br
The Society for Sarcopenia, Cachexia and Wasting Disease: http://society-scwd.org/ 

Sarcopenia: a chronic complication of type 2 diabetes mellitus. Heloísa Trierweiler, Gabrielle Kisielewicz, Thaísa Hoffmann Jonasson, Ricardo Rasmussen Petterle, Carolina Aguiar Moreira, Victória Zeghbi Cochenski Borba. Diabetol Metab Syndr. 2018; 10: 25


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nova insulina no mercado. E eu com isso?

Chegou recentemente ao mercado brasileiro a insulina FIASP ( Fast-Acting Insulina Aspart ), do laboratório Novo Nordisk. Trata-se de uma i...