terça-feira, 23 de julho de 2019

Glicemia sob controle por mais tempo


A hemoglobina glicada tem sido usada desde o início dos anos 90 – mais precisamente a partir de 1993, após a publicação do famoso estudo DCCT (Diabetes Control and Complications Trial) – como parâmetro de controle do diabetes (leia "Hemo"...o quê?).

Há alguns anos, porém, com a disseminação do uso dos sistemas de monitoração contínua de glicose (CGM, do inglês continuous glucose monitoring), surgiu um jeito diferente de olhar a glicemia. E, com isso, um novo conceito para se estabelecer se os níveis de açúcar no sangue estão ou não como deveriam: o tempo no alvo (ou, em inglês, time in range). 
Ah, você já ouviu falar! Mas é coisa para diabetes tipo 1, certo? Nada disso. Tanto a monitorização contínua como o tempo no alvo (ou tempo na meta) são conceitos e práticas que podem ser bem úteis também para o DM2.
Falando primeiramente em monitorização contínua da glicemia. É aí que a mudança começa. Os aparelhos de monitorização contínua aferem a glicemia no fluido intersticial, ou seja, no líquido entre as células – portanto, é diferente da glicemia capilar, medida na ponta do dedo e que capta o sangue dos capilares sanguíneos (pequenos vasos periféricos, nada a ver com cabelos, ok?).
A tecnologia já existe há alguns anos, mas antes estava restrita aos usuários de bomba de insulina (Sistema de Infusão Contínua). Há cerca de 3 anos, chegou ao mercado o Free Style Libre, da Abbott, que pode-se dizer “popularizou” a monitorização contínua de glicose. Porque funciona de forma independente do tipo de tratamento utilizado. Ou seja, pode ser usado por quem usa bomba, insulina e/ou medicação.
Deixando claro aqui que a monitorização contínua não é um privilégio do Libre. Trata-se de uma tecnologia que veio para ficar e em breve estará disponível em outros devices também no Brasil.
O que a monitorização contínua traz de revolucionário é a possibilidade de se saber o que acontece com a glicemia O TEMPO TODO. Ou seja, mesmo entre aquelas medições tradicionais. Pense assim: a glicemia capilar, realizada na ponta de dedo com o glicosímetro, é uma “fotografia” do nível de açúcar no sangue; já a aferição com um aparelho de monitorização contínua é um “filme”. Outro diferencial do novo sistema é que aponta a tendência da glicemia (se está estável, caindo, subindo). Uma espécie de “possíveis cenas dos próximos episódios”, para usar a mesma imagem.
Vantagens para o controle? Diversos estudos têm atestado a melhora da hemoglobina glicada devido ao uso da monitorização contínua. E também para o DM2. Levantamento apresentado durante o último congresso da ADA (American Diabetes Association) e divulgado no mês passado mostra que pessoas com diabetes tipo 2 (média 63 anos de idade) tiveram redução de 1 ponto percentual nos níveis de hemoglobina glicada depois de 3 a 6 meses de uso da monitorização contínua. Lembrando que essa redução aconteceu sem que houvesse qualquer alteração no tratamento. Ajustes nas doses de insulina ou na medicação ocorreram, é claro. Mas o impacto mais sensível da monitorização contínua é sobre o comportamento da pessoa com diabetes. Porque evidencia o que acontece com a glicemia nas mais diversas situações. Traz, em síntese, autoconhecimento.
A monitorização contínua corrobora  o que médicos e demais profissionais de saúde que lidam com diabetes já sabiam na teoria: manter a hemoglobina glicada dentro da meta (até 7%) nem sempre significa um controle super eficaz. A HbA1C é a média da glicemia nos 3 meses passados. E, como média, pode ser obtida a custa de muitas oscilações entre hipos e hiperglicemias. Daí é que surge o conceito de tempo no alvo como forma de se estabelecer um controle ainda mais efetivo. Como o próprio nome diz, significa por quanto tempo no último mês, semana ou qualquer período selecionado – a pessoa permaneceu com as glicemias dentro da meta (normalmente entre 70 e 180 mg/dl). Quanto maior esse período no alvo, melhor.
A monitorização contínua permite que o tempo no alvo seja conhecido e que possa ser usado como parâmetro. O ideal é manter as glicemias na meta durante pelo menos 70% do tempo, o que equivale a ter uma hemoglobina glicada de 7% -- portanto, dentro do adequado para se evitar as complicações. Lembrando que as hipoglicemias (menos do que 70 mg/dl) devem estar presentes no máximo 4% do tempo. E as glicemias elevadas (mais do que 250 mg/dl) não devem ultrapassar 25% das taxas obtidas.
A monitorização contínua ainda não é acessível a todos, infelizmente. Usada ininterruptamente, tem custo de quase R$ 500,00 mensais. É possível experimentar apenas por um período (o sensor do FreeStyle Libre dura 14 dias), como uma espécie de avaliação para se detectar problemas no controle.
A expectativa é que novos dispositivos cheguem ao mercado, aumentando a concorrência e reduzindo o preço. E, principalmente, tornando possível para mais pessoas encontrar um controle glicêmico ainda mais acurado.

Para saber mais:




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nova insulina no mercado. E eu com isso?

Chegou recentemente ao mercado brasileiro a insulina FIASP ( Fast-Acting Insulina Aspart ), do laboratório Novo Nordisk. Trata-se de uma i...