segunda-feira, 30 de abril de 2018

425 milhões... e contando




O diabetes é uma pandemia. Ou seja, é uma epidemia que atinge proporções planetárias.
Segundo o Atlas da IDF (International Diabetes Federation), de 2017, estima-se que existam em todo o mundo nada menos do que 425 milhões de pessoas com diabetes. E isso contando apenas os adultos – de 20 a 79 anos. Para 2045, a previsão é que esse número chegue a 629 milhões. No ano passado, 4 milhões de pessoas do planeta morreram diretamente por causa do diabetes, a metade delas com menos de 60 anos.
Mas o problema não para por aí. O número de adultos com intolerância à glicose – e portanto com grandes chances de desenvolver diabetes tipo 2 – supera 350 milhões.
No Brasil, ainda de acordo com o levantamento da IDF, existem hoje cerca de 12,5 milhões de adultos (20 a 79 anos) com diabetes. Foram mais de 100 mil mortes explicitamente ligadas ao diabetes, 41% delas com menos de 60 anos. Para 2045, a previsão é de que serão mais de 20 milhões de brasileiros com diabetes. Provavelmente devido aos casos de intolerância à glicose hoje registrados: mais de 14,5 milhões de adultos.
No entanto, esse número pode – e deve – ser ainda maior. Levantamento realizado em 2011 pelo Ministério da Saúde mostra que o diabetes atinge 11% da população brasileira, o que equivale a cerca de 21 milhões de pessoas. Desses, quase 80% têm diabetes tipo 2.
Se esses dados já não fossem suficientemente alarmantes, tem mais: no mundo inteiro – e o Brasil não é exceção –, metade das pessoas com diabetes NÃO SABE que têm a doença. Isso é devastador. Porque são exatamente essas milhões de pessoas que vão desenvolver complicações do diabetes. Mas não apenas elas (e lá vem mais notícia ruim...). Estudos mostram que da metade das pessoas que sabem que têm diabetes, apenas metade faz alguma coisa a respeito. Ou seja, apenas 25% da população com diabetes segue algum tipo de tratamento.
O que, para piorar, nem sempre significa sucesso. Foi o que comprovou o Estudo Epidemiológico sobre Controle do Diabetes, de 2007, que avaliou 6.700 pacientes de 8 Estados brasileiros: 73,2% das pessoas com DM2 no Brasil têm controle inadequado (hemoglobina glicada acima de 7%).
Desculpe se pareço o arauto das más notícias. Mas pense positivamente: se você sabe que tem DM2, considere-se um privilegiado. Sim, você já sai com uma vantagem. E para que essa vantagem seja efetiva, assuma o tratamento, assuma o controle do diabetes. Só assim poderemos mudar essa história.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nova insulina no mercado. E eu com isso?

Chegou recentemente ao mercado brasileiro a insulina FIASP ( Fast-Acting Insulina Aspart ), do laboratório Novo Nordisk. Trata-se de uma i...