segunda-feira, 23 de abril de 2018

Estigma


A ideia de criar um blog sobre diabetes tipo 2 surgiu de duas experiências que vivi ano passado (2017). Participei, em outubro, do I Encontro de Pacientes e Blogueiros de Diabetes, promovido pela organização Blogueiros da Saúde. Meu espanto: TODOS os blogs ali representados concentravam-se majoritariamente (se não exclusivamente) no diabetes tipo 1. Em dezembro, durante o congresso da IDF (International Diabetes Federation), em Abu Dhabi (Emirados Árabes), assisti à palestra de Robin (Bob) Swindell, sobre Estigma e Diabetes Tipo 2.
O estigma enfrentado no diabetes tipo 1 tem sido bastante estudado, há tempos. Felizmente, o DM2 começou a ser alvo das pesquisas sobre o tema. A experiência na Europa relatada por Bob Swindell é a mesma que percebo por aqui: o DM2 é visto apenas como um assunto ligado à obesidade, um problema “menor”, facilmente contornável com mudanças no estilo de vida. Portanto, carrega todos os estereótipos reservados àqueles acima do peso: preguiça, falta de força de vontade, falta de comprometimento. Além do preconceito, por si só um enorme problema, esse entendimento traz barreiras ao engajamento com a doença, ao autocontrole e, consequentemente, aos bons resultados do tratamento.
Pesquisa realizada nos Estados Unidos pela dQ&A (Diabetes Questions and Answers) junto a mais de 5.400 americanos com diabetes mostrou que, entre os DM2, 52% sentem estigma social pela sua condição, traduzido na maioria das vezes na percepção de fracasso na sua responsabilidade pessoal. Muitos dos entrevistados acreditam que o diabetes é visto como um fardo para o sistema de saúde. E, pior ainda, como resultado de uma falha de caráter. Consequências? Culpa, vergonha, constrangimento, isolamento.
O estudo da dQ&A mostrou ainda que a pessoa com diabetes não apenas se sente estigmatizada, mas – como eu disse acima – esse estigma atrapalha o controle da doença e a adoção de hábitos saudáveis. Também afeta os relacionamentos sociais, pois torna mais difícil para o DM2 falar sobre diabetes com amigos e familiares, fazer amigos, aproveitar a vida plenamente, se sentir acolhido e apoiado para cuidar do diabetes e até mesmo ter sucesso profissional (TODOS fatores citados pelos entrevistados).
Recentemente, uma amiga disse ter ouvido do médico que se ela não controlasse melhor o diabetes, ele iria “desistir dela”. Se alguém tem uma infecção e o antibiótico não fez efeito, o médico também pensa em “desistir”?? A comparação pode parecer grosseira, sei que o controle do diabetes depende em grande parte do engajamento do paciente, mas para isso ele precisa ser educado, acolhido, orientado. E encorajado sim! Mas existe uma linha muito tênue separando o encorajamento e a atribuição de culpa. Palavras são armas poderosas. Pensamentos e ajuizamentos também. E podem ser usados para ajudar ou não a pessoa com DM2. Mas isso é assunto para outro post.



Veja a apresentação de Bob Swindel em www.fractis.net.
Saiba mais sobre o encontro de Blogueiros de Diabetes em www.blogueirosdasaude.org.br.
Sobre a pesquisa da dQ&A: https://diatribe.org/issues/67/learning-curve


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nova insulina no mercado. E eu com isso?

Chegou recentemente ao mercado brasileiro a insulina FIASP ( Fast-Acting Insulina Aspart ), do laboratório Novo Nordisk. Trata-se de uma i...