quinta-feira, 23 de agosto de 2018

Açúcar? Sim.... e não.


Tem gente que ainda acha que o principal problema do diabetes é não poder comer doce. Engano duplo.
Primeiro porque problema no diabetes são as complicações que podem ser causadas pela glicemia continuamente elevada. Complicações que podem matar ou tirar muito da qualidade de vida do indivíduo.
Segundo grande equívoco: o açúcar NÃO É PROIBIDO para quem tem diabetes. Mas não é o açúcar que faz a glicemia subir? Sim, a sacarose (nome “oficial” do açúcar de mesa) é um carboidrato simples que, portanto, tem reflexo rápido na glicemia. Porém, os alimentos que contêm açúcar aumentam a glicemia tanto quanto outros carboidratos, quando ingeridos em quantidade equivalente. Por isso, podem ser inseridos “no contexto de uma alimentação saudável”, como bem pontua a Nota Técnica nº 01/2017 publicada pelo Departamento de Nutrição da Sociedade Brasileira de Diabetes.
Pois é, a chave dessa recomendação está na alimentação saudável. Isso porque açúcar em excesso não é bom para a saúde. Simples assim. Não dá para abusar do consumo de doces. E esse é um cuidado que serve para todos, com ou sem diabetes. A Organização Mundial da Saúde recomenda PARA TODA A POPULAÇÃO que o consumo de sacarose não ultrapasse 5% do total diário de calorias consumidas.
Como cada grama de açúcar tem 4 calorias, em um plano alimentar de 2000 kcal, por exemplo, o consumo ideal seria de 25g. O equivalente a 5 saquinhos daqueles disponíveis em cafeterias e lanchonetes.
É bem fácil extrapolar o recomendado. Uma latinha de refrigerante (350ml), por exemplo, chega a ter 40g de açúcar, superando sozinha a meta diária ideal. Se uma “inocente” colher de catchup tem 4g de sacarose, imagine aquele brigadeiro de colher! Lembrando que a recomendação da OMS – bem como a Nota Técnica da SBD e as diretrizes da entidade para 2017-2018 – visa limitar também o consumo de açúcares ocultos em alimentos industrializados.
Como saber quanto de sacarose tem na bolachinha recheada? O rótulo quase nunca traz a informação, mas se o açúcar for o primeiro item da lista dos ingredientes é porque está presente em grande quantidade. Melhor evitar ou pelo menos maneirar. Por causa do diabetes? Não, pela saúde em geral!
Sim, é preciso controlar quantidades, tendo ou não diabetes. Não é saudável “cair de boca” no pote de sorvete nem comer o bolo inteiro.
Vale ressaltar que o menor consumo de sacarose pela indústria alimentícia não significa migrar integralmente para os edulcorantes (adoçantes artificiais) e outros aditivos. Diz a Sociedade Brasileira de Diabetes: “A preferência por alimentos in natura e produtos minimamente processados, além da moderação no consumo de alimentos processados e ultraprocessados, devem ser priorizadas por toda a população, com ou sem diabetes”.
Viu? Mais uma vez ressalta-se o fato de que o plano alimentar para o diabetes não deve ser diferente. 
Gosto de insistir nesse ponto porque acredito que a disseminação dessa verdade é fundamental para reduzir o estigma que ronda o DM2. Ter diabetes não significa comer diferente, não significa ter privações, não significa ser vítima. E não se enxergar como vítima traz empoderamento, o que leva ao autocuidado. E autocuidado traz saúde."Simples" assim!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nova insulina no mercado. E eu com isso?

Chegou recentemente ao mercado brasileiro a insulina FIASP ( Fast-Acting Insulina Aspart ), do laboratório Novo Nordisk. Trata-se de uma i...