quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Quando as emoções atrapalham



Com frequência deparo com pessoas que dizem ter “diabetes emocional”. Normalmente, são aqueles indivíduos que tiveram o diagnóstico de diabetes após um trauma ou uma situação de estresse. A ideia não é nova: o médico inglês Thomas Willis foi o primeiro a relatar, no século 17, que pessoas em estados de tristeza ou estresse profundos desenvolviam diabetes.
Mas eu tenho que contar uma coisa para vocês: não existe diabetes emocional ou qualquer tipo de diabetes causado pelas emoções. Diabetes emocional não é diagnóstico.
Isso não quer dizer, de forma nenhuma, que as emoções não tenham interferência no diabetes. E é aí que surge a confusão.
Explicando: todo mundo apresenta aumento de glicemia numa situação de estresse. Seja um susto, uma tristeza profunda, uma crise no trabalho, ansiedade, medo, raiva. Tudo que faz com que o corpo aumente a produção dos chamados hormônios adrenérgicos (adrenalina e noradrenalina) eleva o açúcar no sangue. Esses hormônios são contra-reguladores, ou seja, inibem a ação da insulina. Portanto, fazem a glicemia subir.
Isso porque o organismo humano, que é na base o organismo de um bicho, numa situação de estresse aciona mecanismos de alarme e se prepara para lutar ou fugir. Então, mesmo em uma situação corriqueira – por exemplo, você toma um susto ao atravessar a rua e leva uma buzinada na orelha –, imediatamente há uma descarga adrenérgica, que acelera o coração e eleva a glicemia.
O que acontece com quem não tem diabetes é que, passado o susto, imediatamente a produção de adrenalina baixa e a secreção de insulina começa a voltar ao normal para reduzir o açúcar do sangue. Em quem tem diabetes, esse mecanismo está “avariado”. O que significa que em uma situação assim a glicemia sobe e permanece elevada.
E por que então desde aquele médico inglês as pessoas acham que o diabetes pode ser causado por um problema emocional? Porque o estresse pode ser o gatilho para o diagnóstico. Mas apenas quando as condições do corpo já existem. A falha (ou falhas) no mecanismo de controle do açúcar do sangue está presente. Daí acontece um evento estressor intenso. Pode ser a morte de alguém da família, um assalto, um acidente de carro, o vestibular, o casamento. Pode ser um estresse fisiológico, como uma infecção, um infarto, uma cirurgia. A glicemia sai do controle e vem o diagnóstico. Fácil pensar que o diabetes foi causado por aquela situação. Mas o estresse apenas evidenciou o diabetes.
Mais importante do que saber da existência ou não do diabetes emocional é ter consciência de que a glicemia pode sim subir a cada situação emocionalmente estressante. E ter consciência de que é preciso aprender a lidar com essas situações para que isso não prejudique a sua saúde, incluindo aí o diabetes. Se for só o susto com a buzina do carro, tudo bem. O problema é quando o estresse se torna uma constante.
Estudos mostram que indivíduos muito estressados têm mais dificuldade em cuidar da saúde, que dirá do diabetes. Têm uma alimentação irregular, dormem mal, não praticam exercícios, bebem e fumam em demasia. Sem contar que o estresse crônico eleva a secreção de um hormônio chamado cortisol, diretamente relacionado ao acúmulo de gordura abdominal, que por sua vez aumenta a resistência à insulina. E a glicemia sobe.
Então, se surgir uma situação estressante, de qualquer tipo, fique de olho na glicemia. Intensifique as monitorizações, capriche na hidratação e, se for o caso, converse com o seu médico ou equipe de tratamento.
E, sobretudo, procure relaxar. Faça yoga, meditação, passeie no parque, brinque com o seu neto, cuide das plantas, vá ao cinema, à academia, namore, dance! Qualquer coisa que possa permitir ao seu corpo lidar melhor com as situações de alarme.
Ainda está difícil? Então simplesmente pare e respire. Sim, a respiração é um instrumento simples e muito eficaz para o relaxamento. Sente-se e respire profundamente, soltando o ar bem divagar. Faça isso por 3 a 5 minutos. Você relaxa, a adrenalina abaixa e a glicemia agradece.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nova insulina no mercado. E eu com isso?

Chegou recentemente ao mercado brasileiro a insulina FIASP ( Fast-Acting Insulina Aspart ), do laboratório Novo Nordisk. Trata-se de uma i...