terça-feira, 15 de maio de 2018

Complica não....


Diabetes, especialmente o tipo 2, infelizmente quase nunca tem sintoma. Sim, infelizmente! Porque a falta de sintoma é um dos motivos para que o DM2 fique em segundo plano. Se você tem uma dor de cabeça bem forte, dessas de enlouquecer, você vai fazer de tudo para melhorar. Mas se a glicemia está constantemente em 200/220 mg/dl e você não sente nada – até diz que “se sente melhor assim” –, para quê se tratar?
É aí que mora o perigo. Como já disse aqui, quem tem diabetes não é doente, mas se a glicemia fica constantemente elevada causa estragos sérios. São as tais complicações crônicas. O pior é que, por desconhecimento ou descaso, muitas pessoas só apresentam algum sintoma quando já têm uma complicação instalada.
Se a glicemia está alta, esse açúcar em excesso traz danos para os vasos sanguíneos (artérias e veias). Por isso as principais complicações do diabetes são divididas em MICROvasculares e MACROvasculares. Hoje, falaremos aqui das microvasculares, ou seja, aquelas que têm origem em danos nos pequenos (micro) vasos, tão ou mais finos do que fios de cabelo.
São três os tipos principais de complicações microvasculares:
  • ·         Retinopatia: lesão degenerativa da retina, que pode levar à cegueira se não detectada precocemente. O risco é maior na presença também de hipertensão e colesterol elevado. Lembrando que a incidência de glaucoma e catarata é maior nas pessoas com diabetes.
  •       Nefropatia: lesão nos vasos dos rins, órgãos responsáveis por filtrar o sangue para remoção de resíduos. A hiperglicemia continuada gera sobrecarga e afeta a capacidade de filtragem. Hipertensão e cigarro agravam o quadro.
  •       Neuropatia: degeneração progressiva das fibras nervosas por conta do excesso de açúcar na circulação. Os nervos ficam incapazes de transmitir mensagens corretamente.

O diabetes mal controlado pode causar também problemas dentários, dermatológicos, genitais, articulares e até depressão. Sem falar nas doenças do coração.
Mas vale insistir: diabetes MAL CONTROLADO. Plano alimentar, atividade física, monitorização da glicemia e medicação adequada, além de exames médicos regulares, são ferramentas para controlar o diabetes e mandar para longe essas “doenças” que a hiperglicemia pode causar.
E, de novo: é preciso vencer a vergonha, o medo e o preconceito. Tomar as rédeas da sua saúde, do seu tratamento. Enquanto as pessoas com DM2 ficarem nos seus cantos menosprezando sintomas e escondendo angústias, essas comorbidades aí de cima vão continuar assombrando.
Sair do armário é fundamental!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nova insulina no mercado. E eu com isso?

Chegou recentemente ao mercado brasileiro a insulina FIASP ( Fast-Acting Insulina Aspart ), do laboratório Novo Nordisk. Trata-se de uma i...