quinta-feira, 26 de julho de 2018

Todos juntos pelo coração


Já falei aqui, mais de uma vez, sobre o risco cardiovascular associado ao diabetes. As doenças do coração são a principal complicação da glicemia constantemente elevada e a causa de morte mais freqüente no diabetes (leia E o coração padece).
Falei também de como a falta de controle do colesterol em excesso torna as pessoas com diabetes ainda mais propensas aos chamados eventos cardíacos, como infarto e AVC (leia E o coração padece - parte 2 (gordura no lugar errado).
Tudo começa com a falta de informação. Muitos mal sabem que têm diabetes, muito menos que correm o risco de desenvolver um problema de coração. Daí o diagnóstico não vem ou vem tarde demais. E quando vem, o tratamento quase sempre deixa a desejar. 
Para  tentar mudar esse cenário desalentador, acabam de surgir duas iniciativas de extrema importância para a saúde dos corações da população brasileira: o GAC (Grupo de Advocacy em Cardiovascular) e o Movimento Para SobreViver. Nos dois casos, o objetivo central é melhorar o acesso à informação e ao tratamento adequado para as doenças cardiovasculares.
O GAC surgiu da união de quatro associações de pacientes: ACTC Casa do Coração, ADJ Diabetes Brasil, AHF (Associação Brasileira de Hipercolesterolemia Familiar) e Instituto Vidas Raras. Tem uma ação abrangente, na medida em que se propõe a unir a voz de todos os pacientes com problemas do coração. Tanto que o primeiro movimento do grupo é trabalhar para melhorar o tratamento da hipercolesterolemia familiar, o colesterol alto genético (que atinge sim as pessoas com diabetes, mas não só elas).
Por outro lado, o Movimento Para SobreViver foca sua ação no coração do idoso com diabetes. A iniciativa tem apoio das ONGs ADJ Diabetes Brasil, ANAD (Associação Nacional de Assistência ao Diabetes), Instituto Lado a Lado e Rede Brasil ABC; das entidades médicas SBD (Sociedade Brasileira de Diabetes) e SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia); e das farmacêuticas Boehringer Ingelheim e Eli Lilly do Brasil. Foi lançado no dia 24 de julho em grande estilo, com direito a projeções de imagens sobre o Cristo Redentor, no Rio (foto ao lado), e a divulgação de uma pesquisa do DataFolha sobre o conhecimento da população a respeito do diabetes. Pesquisa que mostra resultados lamentavelmente esperados: apenas 10% dos entrevistados acreditam que o diabetes pode matar e menos de 2% associam a condição ao risco de problemas do coração.
Já o GAC terá o seu lançamento oficial no próximo dia 09 de agosto, com a realização do Fórum Desafios do Colesterol no Brasil, na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo (veja abaixo). Especialistas em dislipidemia vão falar sobre cenário da Hipercolesterolemia Familiar no Brasil, tratamento e custos. No evento, também será apresentado o projeto de implantação do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para tratamento da HF do Estado de São Paulo.
As doenças cardiovasculares são o grande mal do século 21. Mas podem ser prevenidas. O surgimento do GAC e do Movimento Para SobreViver mostra alguma luz no fim desse túnel aparentemente sombrio. Mostra um caminho para lutar por informação de qualidade, atenção e tratamento adequado. As duas iniciativas são MUITO bem-vindas.
Juntos, podemos sonhar que os corações, com diabetes ou não, sejam mais saudáveis

Para saber mais:
Movimento Para SobreViver: www.movimentoparasobreviver.com.br



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nova insulina no mercado. E eu com isso?

Chegou recentemente ao mercado brasileiro a insulina FIASP ( Fast-Acting Insulina Aspart ), do laboratório Novo Nordisk. Trata-se de uma i...